quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

ENTREVISTA CONCEDIDA AO JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO



ENTREVISTA AO JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO


(Jornalista Tiago Cordeiro)






1) Pela sua experiência, quais são os treinamentos mais procurados pelas empresas brasileiras?




_ Desde o início do século passado o tipo de treinamento mais utilizado pelas organizações de todos os tipos e tamanhos é o “Treinamento Presencial”. Esse tipo de treinamento se caracteriza pela presença física do Treinador e dos Treinandos.
Ou seja, ambos (Treinador e Treinandos) se deslocam até o local onde será realizado o treinamento como salas de aula de centros de treinamentos externos, escolas de formação técnica ou profissional ou até nas dependências adaptadas (ou específicas) da própria empresa.
O Treinamento Presencial assumiu uma grande dimensão nas maiores corporações pelo fato de possuir as seguintes características: (A) Proximidade do Instrutor e dos Treinandos, favorecendo uma permanente troca de informações e “feedback”; (B) Possibilidade de aprofundamento do assunto pela prática da discussão, “ao vivo e em cores”; (C) Maior interação, decorrente das trocas sociais entre o Instrutor e o Treinando e entre os próprios Treinandos, as quais são proporcionadas pela proximidade física entre todos; (D) Possibilidade de criação de redes de relacionamento decorrentes da interação entre todos eles, as quais poderão posteriormente dar sustentação ao treinamento, além da criação de fortes laços de cooperação.


2) Existem treinamentos que as empresas deveriam realizar, mas não o fazem?

_ SIM. Nesse início de século temos observado a enorme competição existente entre os varejistas brasileiros de vários segmentos da atividade econômica e, certamente, isso vem exigindo que o pessoal de atendimento a clientes conheça profundamente os produtos e/ou serviços que vendem, a fim de divulgarem aos seus clientes as características e, principalmente, os benefícios que os produtos (ou serviços) possuem e podem proporcionar aos clientes.
Além disso, percebemos claramente que muitos atendentes (e/ou vendedores internos) de lojas de varejo não abordam de forma adequada os “prospects” (clientes potenciais), tornando-se importante um tipo de “Treinamento Comportamental” (Posturas Adequadas e Inadequadas no local de trabalho) que é denominado de “approuch” (abordagem). Sendo assim, se faz necessário que as organizações varejistas invistam nesses dois (2) tipos de treinamento a fim de garantir a sua própria sobrevivência.  


3) Para as pequenas empresas, quais tipos de treinamentos são mais indicados?

_ Por se tratar de um tipo de treinamento onde praticamente não existem investimentos, o “Rodízio de Funcionários” vem se revelando uma modalidade de treinamento bastante utilizada nas pequenas organizações.
Dessa forma, RODÍZIO é o remanejamento do posto de trabalho do empregado, visando prepará-lo para uma nova função e obter uma visão global do trabalho a ser realizado num determinado setor.
Além disso, trata-se de um treinamento bastante eficaz, pois os funcionários realizam funções alternadas a cada período de dois (ou três) meses, o que lhes proporciona uma experiência bem abrangente daquela empresa.
Suas principais vantagens são: (A) Aquisição de uma visão mais global da empresa; (B) Possibilidade de ser utilizado para o aprendizado de todos os tipos de tarefas, desde as mais simples até às mais complexas. Esse tipo de treinamento mostrou ótimos resultados em franquias de Fast-Food’s.
 

4) Para as médias empresas, quais tipos de treinamentos são mais indicados?

_ O “Treinamento em Serviço” (TS) tem-se demonstrado o mais eficaz para as médias organizações, pois ele é realizado no próprio ambiente de trabalho do funcionário (atual e/ou futuro) e se destina a repassar conhecimentos práticos, além de desenvolver habilidades nos colaboradores para realizar funções específicas.
Ele se caracteriza pela presença física do Treinador (Instrutor) no próprio ambiente de trabalho do Treinado, sendo realizado individualmente e, normalmente, é realizado durante três dias seguidos.
O Treinamento em Serviço é indicado para aproximar ao máximo o ambiente de trabalho ao ambiente do treinando, pois ele corrige o comportamento (e as informações) do funcionário na hora em que está sendo aplicado.
A motivação do empregado é maior, em função da aproximação das condições reais de trabalho e, além disso, o TS acompanha as mudanças ocorridas nas tecnologias e nos procedimentos do trabalho.
Ou seja, havendo novas normas, procedimentos ou tecnologias elas são imediatamente desenvolvidas no colaborador através do trabalho do Treinador. Portanto, trata-se de um treinamento de médio investimento, pois a empresa pode ter Instrutores no seu próprio quadro de funcionários.


5) Para as grandes empresas, quais tipos de treinamentos são mais indicados?

_ Como as grandes corporações dispõem de fartos recursos financeiros para investir no treinamento e no desenvolvimento de seus colaboradores, sugerimos treinamentos sobre a Visão, Missão e Valores da organização.
Essas empresas possuem milhares de funcionários, vários departamentos e inúmeros setores e, por esse motivo, é importante manter a coesão dos grupos alinhada aos seus objetivos e propósitos. Dessa forma, é importante manter os colaboradores atualizados à visão estratégica da organização através de “Palestras”, “Congressos” e “Seminários”, além de assinatura de jornais econômicos e revistas especializadas do seu ramo de atuação.    


6) Existem diferenças nos treinamentos para atacado e varejo?

_ SIM, principalmente sobre treinamento de produtos específicos. Pois, como se sabe, existem grandes diferenças entre os produtos comercializados no varejo e no atacado, principalmente quantidades, embalagens, cores e até conteúdos.
Diferentemente do varejo, os Vendedores (ou Atendentes) de atacado precisam conhecer profundamente técnicas de vendas, noções de finanças, margens de lucro (Mark-Up), custos de mercadorias e juros. Pois, na maioria das vezes, seus clientes NÃO são consumidores finais e sim comerciantes e empreendedores que conhecem bastante os seus próprios negócios.